Defensores do aborto dizem que anúncio pró-vida em ônibus é “ofensivo”

Defensores do aborto dizem que anúncio pró-vida em ônibus é “ofensivo”


A luta contra a morte de bebês no ventre materno não se restringe aos púlpitos de igrejas, auditórios e congressos, mas também está nas ruas, entre pessoas que defendem e que são contra o aborto, também chamadas de “pró-vida”.

Foi um grupo pró-vida, por exemplo, que resolveu criar uma campanha visual para ser colocada em ônibus do Canadá, precisamente em Sudbury, cidade da província canadense de Ontário.

A ideia foi colocar na lateral dos ônibus um cartaz com a imagem de um adulto e um bebê,  acompanhado da frase “Take my hand, not my life”, que significa literalmente como “Pegue a minha mão, não a minha vida”.

A iniciativa foi do grupo chamado Subdury Right to Life e teve por objetivo provocar a reflexão sobre a real natureza do aborto, que é a morte da vida de outro ser humano em seu estágio mais frágil de desenvolvimento, ainda no útero materno.

Mas a campanha também provocou reações contrárias. Através de uma publicação nas redes sociais, uma pessoa chamada Brittany Taty disse que a campanha pró-vida seria, na verdade, uma “ofensa” contra o direito das mulheres que optam pelo aborto.

“Hoje entrando no ônibus PÚBLICO da cidade me deparei com um anúncio na lateral do ônibus. Alguém pode me explicar como isso é legal? Uma coisa é ter uma opinião, outra completamente diferente é comprar um anúncio para a lateral de um ônibus público da cidade a fim de envergonhar as mulheres (devo acrescentar, mulheres de várias situações, ambientes, origens, etc.) por causa de abortos”, disse a manifestante.

Em um país onde existe liberdade de expressão, é direito de qualquer cidadão usar os seus recursos para fazer publicidade daquilo em que acredita, desde que o conteúdo da campanha não viole qualquer lei em vigor. É o mesmo direito, por exemplo, de quem defende o aborto e utiliza meios próprios para fazer isso.

Para a cidadã que ficou indignada com a campanha pró-vida, no entanto, o cartaz viola a própria Lei de Proteção do Direito da Mulher ao Acesso aos Serviços de Aborto existente no país. No Canadá o aborto é legalizado em qualquer fase da gestação.

“Eu acho que é absolutamente inapropriado e nojento que a cidade tenha permitido que isso acontecesse”, protestou a ativista, segundo informações da Aleteia.

Biden vai reverter decisão de Trump contra o financiamento de clínicas de aborto

Assine o Canal





Notícias Gospel Mais https://noticias.gospelmais.com.br/

Deixe uma resposta